Mais picuinhas…

Yoñlu não era “um jovem músico gaúcho que tirou a própria vida aos 16 anos, em 2006″, como diz a Contracapa do Segundo Caderno da Zero Hora de dias atrás.

Vinícius Marques era um guri de 16 anos que se matou em 2006. Descobriu-se, depois do suicídio, que o guri tinha muita música no computador, que ele mesmo compunha e gravava sob o pseudônimo Yoñlu.

O Tiago tem letras de música guardadas na gaveta e teve algumas bandas que até na tv tocaram, além de aparecer em festivais pelo Brasil; eu tenho desenhos guardados numa pasta. Vivos ou mortos, não somos “um letrista/um músico” ou “um desenhista”, admitamos todos. O guri, com todo respeito, NÃO ERA “um músico”, não importa o tamanho do talento nem a quantidade de canções que ele gravou em seu quarto nem o fato de HOJE ele ter um disco que o David Byrne lançou e o Devendra Banhart chora ouvindo.

Diablo Cody não é uma stripper (ou ex-stripper, enfim) que ficou famosa por ter escrito o roteiro de Juno. Ela é uma escritora/blogueira que ficou famosa por ter escrito o tal roteiro. Ela FOI stripper, sim, foi. Mas é completamente diferente de uma Bruna Surfistinha ou alguém do tipo SER uma puta que resolveu escrever um livro sobre sua vida de putaria. Diablo Cody escreveu um livro sobre suas experiências como stripper, sim, atividade que ela resolveu exercer por palhaçada, depois de já ter se formado na faculdade e trabalhado como DJ de rádio e secretária, mantendo um blog ficional baseado nessa última função. Então, quando muito, ela é uma secretária que ficou famosa depois de escrever o roteiro de Juno. Embora eu fique com “escritora/blogueira”. Lamento, mas é a real e vocês sabem. Desde 2006 eu sei, porque vi no Letterman. É simples entender que ela não ERA uma stripper. É simples e razoável pra cacete aceitar a diferença entre ERA e FOI.

É PICUINHA, eu sei e reforço, mas ela NÃO É UMA EX-STRIPPER que escreveu um roteiro. Aceitem e não difundam o contrário.

Anúncios
Explore posts in the same categories: Uncategorized

2 Comentários em “Mais picuinhas…”


  1. Tem coisa pior. O exemplo máximo aqui no Brasil é Lula, o “presidente operário”.

    • felipe Says:

      ahan. para mim o Lula é um líder sindical, um político, que chegou à presidência. ANTES, foi um operário que virou líder sindical. não dá pra pular etapas assim, ignorar.

      diferente da Diablo Cody, visto que entre dj, secretária, stripper e roteirista famosa não se nota uma “progressão” como em operário-líder sindical-presidente.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: